Representantes de barbearias e salão de beleza insatisfeitos com onda roxa, e recebido pelo Secretário de Desenvolvimento Econômico de Timóteo

Representantes de barbearias e salão de beleza insatisfeitos com onda roxa, e recebido pelo Secretário de Desenvolvimento Econômico de Timóteo

Secretário de Desenvolvimento Econômico de Timóteo recebe representantes de barbearias e
salão de beleza insatisfeitos com onda roxa

A Administração Municipal foi surpreendida na manhã desta segunda-feira (29) com uma
manifestação no paço municipal de cerca de 40 proprietários de barbearias e salões de beleza
questionando a onda roxa, implementada pelo governo do Estado e que se estende até o dia 4
de abril.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Hiler Félix, recebeu uma comissão dos
profissionais no auditório da Prefeitura onde ouviu as demandas, entre as quais, de que o
funcionamento seja feito por agendamento e de forma individual. Também explicou que
aguarda um posicionamento do Estado sobre um ofício encaminhado à Superintendência
Regional de Saúde (SRS) solicitando a flexibilização para essa categoria. O ofício foi
encaminhado no dia 19 de março e até a presente data não houve retorno por parte do
Estado.
Esta foi a segunda reunião com os proprietários de barbearias e salões de beleza da
qual o secretário de Desenvolvimento Econômico Hiler Felix participou. A primeira foi
realizada no dia 19 deste mês. Hiler explicou que a deliberação restringindo a atividade

é estadual e que alterações no plano Minas Consciente fogem à competência do
Município. “Compreendo a apreensão dos profissionais e estou aguardando o retorno
aos questionamentos que fizemos junto ao governo de Estado”, disse Hiler.
No documento encaminhado, a Procuradoria-Geral do Município indaga sobre a
possibilidade de o Município modificar as atividades incluídas como essenciais na onda
roxa do Plano Minas Consciente. Em caso afirmativo, pergunta se é “possível e/ou
viável a consideração das atividades de barbearia, cabeleireiros, salões de beleza e
correlatas desde que adotado protocolo de atendimento individual com horário
marcado como atividade essencial? Novamente, é questionado ao superintendente se
a resposta for positiva quais seriam os protocolos indicados para seu
funcionamento?”, conclui o documento.